RECOMEÇAR

Recomeçar é estar ferido e suportar; é estar cansado e continuar!

FLORESCIMENTO

O entendimento e a aceitação da capacidade em si direciona a um novo modo de ver a vida, o mundo e a nós mesmos.

AME-SE

Crônica publicada na Revista Ser Espírita.

CHICO XAVIER - TRAÇOS BIOGRÁFICOS

O sonho de todo médium é aproximar-se de sua obra!

O TEMPO E A ETERNIDADE

Não deixemos que o mal uso do tempo presente determine uma eternidade dolorosa.

9 de novembro de 2011

Ame-se!

Deveria existir um manual de instruções dos humanos? Talvez sim, talvez não! O importante é entender que pessoas não são equipamentos, que ao apertar um botão, puxar uma alavanca ou programar uma função fará o que você quer.
Pessoas são seres que pensam, sentem, gostam, desgostam, amam, e acima de tudo, querem ser felizes, ser amados. Aí, se encontra o problema, o "querer". As pessoas querem amor em suas vidas, mas elas não querem sentir, se doar. Pensam, inclusive, que precisam ver o amor no outro para então começar a sentir amor por essa pessoa. Senão não vale a pena se envolver.
Ora, para que algo seja correspondido, antes deve existir! É preciso se olhar com olhos de paixão, de amor; cuidar de si com todo o carinho possível. Então, chegará um tempo em que não será preciso querer o amor, ele existirá em nós de forma tão viva e instantânea, que perguntaremos se devemos buscá-lo em outro lugar que não seja dentro nós. Quando gostamos de nós mesmos é mais fácil gostar dos outros e os outros gostarem de nós.
Amar-se é um processo difícil, pois precisamos nos compreender, nos aceitar, nos dignar a mudar aquilo que nos incomoda. Assim talvez consigamos perceber o quanto somos carentes de nós mesmos. Deus colocou o amor e a felicidade onde fosse mais fácil encontrarmos: dentro de nós. No momento em que os encontrarmos nos surpreenderemos. "Eles sempre estiveram comigo. Como nunca os percebi?" A resposta: medo!
O medo é algo construído por nós mesmos: é o medo de errar, de perder, de não ser capaz, de não ser suficiente; mas bem pior é o medo de acertar, de sorrir, de ser feliz. Visto que cada uma dessas ações depende de nossas atitudes. Se você sente medo, serás correspondido com medo! Seja alegre, feliz,e amado por você mesmo. Ame-se e será amado ou amada!

7 de novembro de 2011

"Um dia!"

Sempre que pensamos em fazer algo diferente em nossas vidas usamos a expressão "um dia"; um dia mudarei o visual; um dia farei aquele curso; um dia pedirei desculpas; um dia acabo com essa situação. E assim enchemos nossa mente de "um dia". Mas o que não percebemos é que esse dia já chegou, passou e repetimos a máxima: um dia terei coragem!
Não nos damos conta de que vivemos na esperança de que esse dia chegue, que estamos tão presos à expectativa que não o vemos nascer todos os dias e se mostrar uma nova oportunidade de fazer diferente; de mudar o visual; de pedir desculpas; de falar o que pensamos para ficarmos leves e tranquilos; sequer percebemos que todos os dias temos um dia novo para sermos felizes.
Acredito que gostamos de dizer "um dia" por que parece que temos um tempo antes de realmente aceitar a necessidade de nossos ajustes; de começar a corrigir nossos defeitos, pois de certa forma estamos acostumados com a realidade em que vivemos, tudo parece funcionar, mesmo que não perfeitamente. Ainda  assim, funciona, e no final damos um jeito, contornamos os obstáculos hoje porque um dia ele será completamente transposto!

28 de outubro de 2011

Desatando nós!

  É muito difícil conseguirmos desatar nós ou afrouxar alguns laços. O simples fato de admitirmos a necessidade dele ser desfeito já nos causa um pânico generalizado. Acreditamos que essa novidade pode acabar com o que já construimos com muito custo. Mas precisamos analisar a qualidade daquilo que foi construído; devemos nos ater ao rumo dado a nossa vida, a partir das escolhas que fizemos. Porque esses pequenos atalhos que "pegamos" podem nos ter levado a um destino totalmente oposto àquele que imaginamos.
Para que possamos reconhecer esse desvio, devemos nos percebemos como construtores da estrada que trilhamos; que somos responsáveis por tudo que desejamos, sentimos e sintonizamos. Assim, se faz necessário perceber que influência recebemos, e se ela nos motivou à uma mudança de curso, ou ainda se ela se tornou algum entreve.
Muitas vezes sabemos exatamente o que precisamos fazer e/ou dizer, mas por medo de uma nova mudança deixamos de lado, e empurramos com a barriga. A cada vez que adiamos uma decisão, estamos adiando a resolução de um problema, situação ou desentendimento. E essa resolução pode incidir na melhora imediata de nossa vida.
A questão a partir de agora se baseia nas nossas pequenas decisões: o que realmente desejamos; como queremos nossa vida, a partir de agora. Cada pequena escolha nos levará a um caminho diferente, mas não precisa ser exatamente ruim. Podemos escolher ser feliz, e caminhar rumo à essa felicidade. Chegar à ela não é fácil, mas com certeza, não é impossível. Depende exclusivamente do nosso empenho!

16 de outubro de 2011

Compreender



Compreender: v.t. Encerrar em si, abranger, incluir: o Rio de Janeiro compreende várias Regiões Administrativas. Constar de, compor-se de. Conceber, perceber pelo espírito: compreender o pensamento de qualquer pessoa. Aceitar com indulgência as razões de uma pessoa; aprovar.
Caros seguidores e visitantes iniciei este texto trazendo o significado da palavra que constitui seu título, pela simples razão de encontrar-me nesse dilema, será que sei o que realmente significa a palavra Compreender? Ou melhor, será que a estou usando conforme o seu significado?
Partindo dessas dúvidas analisei profundamente sua definição e acabei por enveredar em mais reflexões, pois compreender é muito mais que uma palavra é, acima de qualquer coisa, uma atitude. Justamente por necessitar de um pouco de renúncia, abdicação de nossos temperamentos e conceitos para que possamos compreender o que se passa com a pessoa que nos procura. Mesmo que num primeiro momento pensemos ser uma imensa besteira o relato dessa pessoa confusa que busca nosso auxílio, se realmente nos dedicarmos a ouvir e entender a situação conseguiremos de fato ajudar nosso próximo.
Renunciar e abdicar se refere a não olhar o interlocutor de modo reprovador do tipo "essa pessoa ainda tem dúvidas sobre isso?" como se fosse uma obrigação o outro saber algo pelo qual você já passou. Nossas experiências não nos tornam superiores, mas apenas aptos a ajudar àqueles que ainda não passaram pela mesma situação. Ajudar os que estão a nossa volta é uma dívida que assumimos ao nos tornamos um pouco mais conscientes de nossos papel social perante o conhecimento apreendido. Compreender, entender e se dispor a ensinar é um tipo de caridade que nos exige uma parada no nosso caminho, mas não devemos pensar que isso seja um empecilho, mas uma oportunidade de recuperar o fôlego, para então seguir na nossa estrada chamada vida!

17 de agosto de 2011

Compartilhar!

Pela primeira vez usarei esse espaço de reflexão para compartilhar com vocês meus sentimentos de forma mais explícita. Tenho certeza de que vocês estão se perguntando o porque desse desabafo. Por que acredito que devemos compartilhar nossas vitórias, derrotas, alegrias, felicidades, forças, fraquezas, superação, decepção. Todas as outras vezes em que escrevi qualquer palavra foram diretamente do meu coração, e nesse momento não é diferente, apenas com outra entonação.
Há cerca de um ano minha vida vem sofrendo constantes mudanças, quando penso que organizei a casa alguém sacode e bagunça tudo. Mas não é tão ruim quanto parece porque estou ciente de que essas mudanças são necessárias para meu aprendizado, melhoramento, seja o nome dado a esse processo. O importante mesmo é eu compreender cada fase, pois sei que não estou sempre certa, e tão pouco sempre errada. 
Ao longo dessa reviravolta aprendi a me compreender para compreender o próximo; a olhar com mais carinho para os "defeitos" dos outros, pois assim faço com os meus. Ora se quero carinho, compreensão e respeito devo nutrir esses sentimentos pelo próximo, antes mesmo de exigir. Se não quero ser mudada para viver com alguém, não devo tentar mudar ninguém. Da mesma forma, se não quero que me exijam nada, não exigirei, apenas tentarei compreender.
Dentre todas as adaptaçãos que precisei fazer, está o compartilhamento das minhas dúvidas, necessidades e fraquezas, o famoso "pedido de ajuda". Uma vez que essa montanha russa que se tornou a minha vida, expôs meu lado mais frágil, e consequentemente tive que aprender a pedir ajuda, não a qualquer pessoa, mas a quem está mais próximo de mim.
Em verdade vos digo: é fácil observar a vida do outro e opinar sobre o modo que se age, difícil mesmo é conviver com suas vidas: pessoal, sentimental, social, profissional e todos os "al's" que existem, porque não existe separação, não há botão de pause ou stop. Você precisa estar inteira (se possível) em todas elas. Agora eu peço a ajuda de todos vocês: como posso ser inteira para todas essas situações se já venho cansada de uma delas, as vezes penso que uma vida vai contaminando a outra. Se estou feliz na vida pessoal, todas as outras ganham, mas se uma está ruim a outra ficará também.
Estou muito confusa, pois pensei que estava fazendo direitinho, separando as coisas, mas hoje descobri que não, pois uma insatisfação acabou estourando em uma situação que deveria ser o meu suporte.

24 de julho de 2011

AMAR!

 O que é amar? Será que sabemos quando estamos amando? É muito comum confundirmos os sentimentos, principalmente, ao analisar a forma como o nutrimos por alguém. Não é tão simples como parece diferenciar um simples gostar de um sentimento mais profundo e elaborado como o amor. 
A descoberta do amor nos deixa desnorteados num primeiro momento, justamente por não conhecê-lo e não saber como lidar com esse sentimento tão almejado, desejado. Tanto que ao bater a porta do nosso coração temos medo de abrir e ser mais um alarme falso, um sofrimento, uma desilusão. 
Devemos lembrar que esse estado negativo se instala quando criamos falsos modelos de pessoas perfeitas. Uma vez que a perfeição é criada a partir de nossos valores, crenças, vontades, ou seja, de nossas cabeças. Devemos abolir de nossas mentes o ideário de perfeição. Ora, nós não somos perfeitos. Pelo contrário, estamos cheio de "defeitos" a serem corrigidos, ajustados, esquecidos ou mesmo, modificados.
A pessoa ideal é aquela que você não precisa mudar nada, só o simples fato dela existir já te faz feliz; que caminhar de mãos dadas com você é o suficiente para ganhar o dia, a tarde ou a noite. E muito mais importante, é aquela que almeja crescer junto, lado a lado, sem medo do que Deus pode reservar ao casal, mas independente da prova, tentarão juntos serem aprovados.
Um casal não é a união de duas pessoas, mas sim de sentimentos, sonhos, valores e desejos. Quando o casal pensa da  mesma forma, age de modo semelhante há grandes chances de se conquistar a felicidade. Lembremos que a felicidade nasce dentro de cada um de nós, então não adianta esperá-la de alguém, devemos antes de qualquer coisa, ser feliz por nós mesmos, pelo bem do nosso coração, e então conseguiremos olhar com mais cuidado a nossa volta e encontrar o amor onde nunca haviamos imaginado.
Amar não é suspirar por alguém, é simplesmente, saber que pode contar com alguém; ter com quem conversar, mesmo que seja para falar do seu dia; é poder abraçar alguém olhando nos olhos, demonstrando sem medo o quanto está feliz por tê-la ao seu lado naquele momento!

19 de julho de 2011

Rotina

Porque a rotina chateia tanto as pessoas? Muitos reclamam de sempre fazer tudo igual, de não haver "novidades" em suas vidas! O que elas não percebem é que essa rotina é a chance que recebemos todos os dias para fazer melhor aquilo que ainda não conseguimos fazer direito, e que nos possibilita avançar à próxima etapa de nossas vidas.
Nuca devemos tirar de nossas mentes que somos seres em constante apredizado; que independente do grau de instrução acadêmico temos a vida a nos ensinar o convívio com as pessoas e, principalmente, com nós mesmos. Justamente, porque necessitamos nos compreender, saber do que gostamos, o que queremos para então olharmos nossos amigos, irmãos, namorado, esposa, marido, pai e mãe com olhos de compaixão; por perceber que os defeitos de outros merecem tantos cuidados quanto os nossos.
A tão difamada rotina se constrói a partir de nossas oportunidades perdidas; de não observarmos a chance de fazer novamente da forma correta, de perceber que aqueles com quem convivemos também necessitam de carinho, assim como nós tanto desejamos.
Essa rotina deixará de existir quando percebermos que cada dia de nossas vidas é um novo aprendizado; que ao somar o conhecimento do dia, amanhã receberemos um novo, e assim por diante. Até chegar num determinado ponto, onde perceberemos que somos pessoas diferentes, "melhores", pois conseguiremos compreender a nós e ao próximo. Que nossa rotina é tão interessante, que consegue nos elevar à um padrão jamais imaginado.
A rotina se torna perniciosa quando deixamos de nos enxergar enquanto agentes construtores de nossa realidade. E a rotina é aquilo que imaginamos ser nossas vidas.
Então, se imaginarmos nossas vidas como círculos dos quais não conseguimos sair, assim será. Porém, se estivermos nesse círculo e vermos uma brecha, devemos sair por lá, pois ao darmos a volta novamente essa abertura pode não estar mais lá, e para encontrá-la novamente precisaremos dar muitos outras voltas.
A definição de rotina ainda é confusa, complexa e paradoxal, mas acima de qualquer coisa ela é uma escola da qual nunca receberemos um papel dizendo que somos graduados, mestrados ou doutorados. Esse título só conseguiremos ostentar quando aprendermos de verdade. Uma vez que não ostentaremos, mas sim, demonstraremos através de nossos atos, comportamento e tratamento para com as pessoas aquilo que aprendemos com a vida, com a rotina!

5 de julho de 2011

Pessoas!

Qual é o impacto causado pela entrada de uma pessoa na nossa vida? Sem dúvidas, que essa entrada desarticula tudo aquilo que você sempre acreditou estar nos eixos, no seu devido lugar. Mas eis que aparece alguém e mostra que o eixo é outro, e noutro lugar. Uma vez que você precisar reordenar suas atividades, seus humores, suas vontades e suas prioridades. Mas me pergunto é necessário tanta mudança? Se a pessoa está entrando na "minha" vida não é ela quem deve se adequar?
A resposta!? Sim e Não. Sim, porque a vida é sua e você já tem uma rotina; Não, porque deves sempre lembrar que também estamos entrando na vida de alguém, nós também estamos abalando uma estrutura, reorganizando uma rotina. Por isso, encontrar, conhecer e conviver com pessoas é nossa principal missão nesta vida, antes mesmo de construir e/ou conquistar algo.
Entretanto devemos questionar a necessidade de se ter alguém com você compartilhando o que você "tem", conhecendo quem você é. Até que ponto essa invasão deve ser "permitida" (isso mesmo, nós permitimos certas invasões!)?
Sempre baterei na tecla do autoconhecimento, devemos antes de qualquer coisa saber os nossos limites, para não permitir essas "invasões". Pessoas passarão aos montes por nossa vida, mas umas poucas farão alguma diferença deixando suas marcas, outras nem lembradas serão. Porém somente compreenderemos esses sinais observando, analisando e encaixando em nossa vida essas marcas.
O simples ato de tentar interpretar cada passagem por nossa vida é demasiado profundo, pois precisaremos perceber primeiro que tipo de marca estamos deixando na vida das pessoas, qual a qualidade do sentimento que despertamos nos outros. Devemos sempre lembrar que não somos seres diferenciados, especiais, mas somos sim pessoas que entram e saem da vida de alguém, e assim como queremos guardar bons momentos das pessoas, também devemos deixar bons sentimentos para as outras pessoas guardarem de nós.
Todos, sem exceção, somos serem em desenvolvimento, evolução, aprendizado, mas só compreenderemos de fato quando aprendermos a nos socializar, nos relacionar com as outras pessoas. Qualquer relacionamento começa com a compreensão, a compreensão de quem somos para podermos aceitar quem entrar na nossa vida!

1 de julho de 2011

Felicidade

Muitos são os conceitos sobre a felicidade. Uns julgam-se felizes, mesmo tendo poucos recursos, outros reclamam por ter tudo menos a felicidade. Então me pergunto: o que de fato é a felicidade? Seria um sentimento, um estado passageiro ou uma utopia? 
Em verdade, não sei dizer quais dessas opções é a correta, apenas posso afirmar que para conseguir vislumbrar um pouco de felicidade precisamos nos connhecer, compreender nossos sentimentos, nos perceber enquanto irradiadores de amor, de paz e de felicidade!
Há pouco tempo descobri que um sorriso demonstra muito mais sobre você que milhões de palavras sobre sua personalidade. O simples ato de sorrir mostra a felicidade que habita seu coração. Ser feliz não é fazer tudo "certo", como a maioria acredita ser. Pelo contrário, é justamente quebrar regras, tropeçar, cair e levantar, porque esses obstáculos nos ajudam a perceber tudo a nossa volta, e a compreender o que a vida esta tentando dizer, ensinar.
Assim nos tornaremos seres mais capazes de encontrar a felicidade nos lugares menos improváveis, nas situações menos promissoras, em pessoas que acabamos de conhecer e, sem que nos demos conta, desperta nosso "eu" de uma forma mágica. Acima de qualquer coisa, ser Feliz é a capacidade de olhar em volta e perceber poesia e canção em tudo que nossos olhos alcançam e adaptar à nossa vida. A felicidade não é constante mas pode ser eterna!!

26 de junho de 2011

Verdade

O que é a Verdade?

Acredito que sejam esperanças construídas por nós e que na maioria das vezes não perduram. Mas não perduram porque são mentiras, e sim porque as edificamos em cima de um terreno falso, improvisado e sem estabilidade. Criamos nossas verdades baseados em coisas que ouvimos e imaginamos serem "verdade" porque as "merecemos". Mas como saber se realmente merecemos e ter certeza dessa verdade?
A verdade? Nunca saberemos. Nunca teremos certeza absoluta. A verdade é um estado tão instável quanto a mentira. Só saberemos reconhecer a "verdade" ou a "mentira" quando aprendermos a reconhecer o que vai em nosso coração. Muitas vezes, desejamos tanto algo que somos traídos por nosso coração e nossa mente. Se você não sabe, eles trabalham juntos, trocando "informações" e se não analisarmos e filtrarmos seremos enganados por nós mesmos.
Devemos dar atenção aos sinais, mas não tomá-los como verdade. Observemos, analisemos, questionemos; sempre criticando toda e qualquer informação que recebemos para que consigamos em algum momento de nossas vidas ter certeza de estar tomando uma decisão certa, ou pelo menos, a mais adequada àquela situação. Penso inclusive, que mesmo a situação sendo desfavorável ela nos ensina. E a partir desse ensinamento aprenderemos a prestar a devida atenção ao que habita nossos corações, pois ele é nosso guia, mas também é nosso trangressor.

9 de junho de 2011

Juntar os cacos!

Todas as vezes que somos testados pela vida, a primeira pergunta que surge: "Porque?". E em seguida vem a afirmação: "Eu não mereço isso!". Mas ao fazer tal afirmação retornamos à pergunta inicial, e levamos um tempo nesse ciclo sem chegar a nenhuma resposta que nós convença ou satisfaça. No entanto, se substituirmos o "Porque?" da primeira pergunta por "Para que?" conseguiremos compreender não somente o significado, mas a sequência dos fatos que desencadearam esse evento em princípio adverso aos nossos paradigmas.
Não se trata de sair da posição de vítima e tornar-se algoz dos nossos sofrimentos, porém em parte temos uma parcela de culpa. Penso que não existe 100% vítima nem 100% culpado, sempre será 50% e o que define se serei mais que a metade é justamente meu comportamento ante à adversidade; o papel que assumo após o desenrolar dos fatos.
Cada situação em nossa vida que causa sofrimento deve ser encarada como uma oportunidade de rever nossos conceitos, que em determinado momento estão arraigados de sentimentos de posse, egoísmos, soberbas. Mesmo sendo dificil admitir, mas um evento que abala nossa estrutura, nos deixa desnorteados mostra-nos que temos força suficiente para dar a volta por cima, e mais ainda que levantaremos mais fortes e com nova perspectiva de vida. Até olhar nosso reflexo no espelho receberá novo significado. Compreenderemos que as antigas preocupações não serviram de nada, pelo contrário, só atrapalharam a visão do quadro geral da nossa vida.
Passaremos a perceber as adversidades na vida das outras pessoas com olhos de compaixão, justamente por lembrarmos das nossas quedas, tentaremos evitar a queda de nossos semelhantes. Aprenderemos a não desejar mal a ninguém, mesmo àqueles que nos desejam, apenas olharemos para ele e diremos: "não desejo a você o que houve comigo".
Mas claro que para agirmos dessa forma deveremos quebrar nossos paradigmas e reescrever nossa história!

25 de maio de 2011

Prêmio Capelo de Ouro

É com imensa felicidade que recebo esse prêmio que se configura num grande incentivo a continuidade desse trabalho que venho desenvolvendo no blog.
Muito obrigada Marcel Franco, sabes que tenho um carinho imenso pela sua pessoa, assim como um maior ainda pela sua dinamicidade e conhecimento!!

11 de maio de 2011

Lágrimas!

As lágrimas são as maiores expressões emocionais. Elas podem significar alegria, felicidade, dor, contentamento, paz, amor, perda, solidão, medo, partida, chegada. Tantos são os adjetivos que fica difícil enumerar e explicar todos, mas somente há uma certeza, quando elas caem é impossível esconder nossos reais sentimentos. Aqueles que são guardados nos cantinhos do nosso ser, mais impossíveis de se alcançar.
Há quem diga que chorar faz bem para a alma, pois consiste num processo de limpeza, aquelas difíceis de serem feitas com água e sabão. Das vezes em que me peguei chorando sem um motivo forte (a perda de um ente querido, por exemplo) percebi que esse choro repentino era a forma que meu espírito encontrava para dizer a mim que as coisas estavam mudando e cada coisinha estava voltando para o seu devido lugar; que eu chorava apenas porque a mudança não é fácil, pois de repente nos vemos diante de novas oportunidades e isso causa medo, aflição e ansiedade.
Muitos choram com cenas de uma novela, de um filme ou mesmo uma notícia triste ou trágedia mostrados nos telejornais, podemos chamá-lo de "choro da compaixão", justamente porque nos imaginamos naquela situação difícil e choramos e oramos pelos que sofrem naquele momento. Quantas vezes não vemos homens chorando porque seu time do "coração" venceu um campeonato, e imediatamente pensamos: "ele chora pelo time, mas não chora por outras coisas mais sérias?".
Outras vezes choramos por oportunidades perdidas dizendo entre lágrimas: "como não pude perceber que era a minha chance?". Diante de tantas situações "causadora" de lágrimas como pará-las no momento certo? Com plena certeza, chorar faz bem à alma, mas não em demasia.
As lágrimas são um bálsamo retificador, mas não devemos recorrer a elas o tempo todo, uma vez que as várias situações em que nos encontramos são para nosso crescimento interior, logo chorar demais é tambem sinal de fraqueza. Se nossa vida muda, é porque somos capazes de nos adaptar à nossa nova realidade.

6 de maio de 2011

Ilusão!

Palavra simples, mas de significado imensamente profundo. Há quem diga que a ilusão parte apenas de nossos anseios mais íntimos, da nossa imaginação e que um dia veremos a realidade tal como ela é. Mas e se a realidade for uma ilusão de nossa mente? Como definimos o que é Real e o que é Ilusão? Quem nunca "sonhou" com uma realidade diferente?
Toda realidade parte de uma ilusão, se não fosse assim, como chegariamos à lua, mandariamos robôs a marte, avançariamos na medicina ou em outras áreas de conhecimento? Os conceitos de realidade e ilusão são indissociáveis, pois partimos de um para o outro como se caminhássemos sobre uma ponte.
Qualquer mudança em nossas vidas parte de um sonho; qualquer reviravolta num contexto social parte de uma idealização. E isso é pensado e feito de diversas formas, mas com certeza, se inicia a partir da insatisfação com a realidade vigente, com a análise do que estamos vivendo naquele momento e se isso é o suficiente para sermos felizes. Ilusão não é viver num mundo particular, é analisar uma realidade e buscar melhorias para ela. Ilusão também é uma eterna busca pela felicidade.
Se imaginarmos um jardim com flores de todas as cores, para torná-lo realidade precisamos arar a terra, plantar as sementes e regar até que as flores nasçam!

14 de abril de 2011

A Arte de ser feliz - Cecília Meireles

Poema escrito pela maravilhosa poetisa Cecília Meireles. Um texto que se aplica perfeitamente em nosso cotidiano, que descreve com primazia os percalços enfrentados por  nós, mas que acima de tudo nos ensina o valor da esperança!!


"Houve um tempo em que minha janela se abria
sobre uma cidade que parecia ser feita de giz.
Perto da janela havia um pequeno jardim quase seco.
Era uma época de estiagem, de terra esfarelada,
e o jardim parecia morto.
Mas todas as manhãs vinha um pobre com um balde,
e, em silêncio, ia atirando com a mão umas gotas de água sobre as plantas.
Não era uma regra: era uma espécie de aspersão ritual,
para que o jardim não morresse.
E eu olhava para as plantas, para o homem, para as gotas de água que caiam
de seus dedos magros e meu coração ficava completamente feliz.
Às vezes abro a janela e encontro o jasmieiro em flor.
Outras vezes encontro nuvens espessas.
Avisto crianças que vão para a escola.
pardais que pula pelo muro
Gatos que abrem e fecham os olhos, sonhando com pardais.
Borboletas brancas, duas a duas, como refletidas no espelho do ar.
Marimbondos que sempre me parecem personagens de Lopes de Vega.
Ás vezes, um galo canta.
Às vezes, um avião passa.
Tudo esta certo, no seu lugar, cumprindo o seu destino.
E eu me sinto completamente feliz.
Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas,
que estão diante de cada janela, uns dizem que essas coisas não existem,
outros que só existem diante das minhas janelas, e outros,
finalmente, que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim".

12 de abril de 2011

Quando Chega a Hora

     Mensagem de amor e esperança que nos ajuda a entender as obras divinas; que somente coloca em nosso caminho as coisas destinadas à nós; que devemos saber ser pacientes; que seremos felizes, mas felicidade alguma chega antes de estarmos preparados para aceitá-la em toda a sua totalidade!


Conhecimento!

Desde que nascemos até o momento de nossa partida, estamos em constante aprendizado. Não somente para aprender o que é ensinado nos bancos de escola, mas para aprender com o dia a dia, naqueles momentos em que pensamos estar sendo punidos pelas forças divinas.
    O nosso contexto social e educacional infere que somente seremos pessoas cultas e instruídas, com os conhecimentos adquiridos ao longo de nossa vida acadêmica; que carregar uma montanha de livros e ser especialista em determinada área é suficiente para subir alguns degraus na escada do conhecimento.
      O que ocorre, de fato, é a confusão entre os significados de quantidade de informação e conhecimento. O primeiro se refere aos fatos e notícias recebidas sobre um determinado assunto, enquanto o segundo se reporta ao método de internalizar e agregar as informações recebidas à nossa vida. Ou seja, conhecimento é toda a bagagem de informação utilizada de forma proveitosa e justa, sem abusos ou atos discriminatórios.
      Sempre digo a todos que o conhecimento é a única coisa que ninguém pode tirar de nós; que ele é a única coisa que nos pertence de verdade, mas não é uma propriedade que não possa ser compartilhada. Lembro de uma frase interessante que li num livro: "O verdadeiro filósofo é aquele que questiona a sua realidade". Logo, não adianta ler todos os livros, jornais, revistas, sites de notícias, se você não reflete sobre a informação que recebe. A partir do momento em que você passa a observar com mais cuidado tudo à sua volta, e principalmente onde você se encaixa nesse contexto, estará de fato usando todo o seu conhecimento.

10 de abril de 2011

Escolhas!

O que nos leva a escolher determinada "coisa", a decidir por seguir um caminho ou pegar um atalho? Muitas vezes, quando estamos dentro de uma situação adversa, que parece sem solução, pensamos estar tomando a decisão certa, aquela que de fato resolverá um problema. Mas somos surpreendidos ao descobrir que a decisão não era adequada àquele momento, uma vez que a tomamos sem uma análise profunda do obstáculo posto a nossa frente.
     Como perceber que essa escolha não foi adequada? Justamente quando ela gera mais transtornos, ao invés de resolver o antigo, transformando-se numa bola de neve, que, a principio, parece sem solução. Como solucionar essa equação que só aumenta? Começando pela raiz do problema, verificar todas as variáveis envolvidas, a que, e a quem elas se ligam. Por não se tratar de uma equação simples, envolvendo pessoas, sentimentos e expectativas devemos ter um cuidado extremo com aquilo que queremos, desejamos e escolhemos. Precisamos, antes de tudo, nos colocarmos no lugar do próximo, tentar sentir o que ele sentiria, e então analisar a melhor solução para o todo e não somente para nós mesmos.

5 de abril de 2011

O Novo!!

Essa com certeza é uma palavra curiosa, tão pequena e, no entanto possuidora de grande impacto. Confesso que por muito tempo tive medo dessa palavra, por ela me causar uma sensação de impotência ante aquilo que se mostrava tão promissor, apesar de bom era desconhecido, novo. Compreender o significado dela não é fácil, pois depende de revisão de valores, de reforma íntima, só é capaz de entendê-la aquele que se conhece em toda a sua profundidade.
     Como dizia Chico Xavier "Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora a fazer um novo fim". Em qualquer momento de nossas vidas é possível observar nossos pontos fracos e buscar maneiras de torná-los fortes. Só precisamos acreditar que somos capazes e, principalmente, ter fé no futuro que se desenha como uma nova oportunidade.