RECOMEÇAR

Recomeçar é estar ferido e suportar; é estar cansado e continuar!

FLORESCIMENTO

O entendimento e a aceitação da capacidade em si direciona a um novo modo de ver a vida, o mundo e a nós mesmos.

AME-SE

Crônica publicada na Revista Ser Espírita.

CHICO XAVIER - TRAÇOS BIOGRÁFICOS

O sonho de todo médium é aproximar-se de sua obra!

O TEMPO E A ETERNIDADE

Não deixemos que o mal uso do tempo presente determine uma eternidade dolorosa.

12 de dezembro de 2013

Diferança de Amor e Paixão

Autor: Richard Simonetti

A jovem pergunta  à Chico Xavier:

- Chico, amor é sinônimo de paixão?
- Ah! minha filha, amor é comidinha fresca, roupa lavada e passada, mamadeira prontinha.. paixão é como o Joelma, pega fogo e acaba tudo.



Observação: Joelma era um Edifício que pegou fogo em 1974.

Com a simplicidade e a jovialidade dos sábios, o médium estabelece diferenças fundamentais entre amor e paixão. A paixão situa-se nos domínios do instinto, busca apenas a auto-afirmação, o prazer a qualquer preço, sem preocupações além da hora presente.

Apoiando-se no desejo de comunhão sexual, a paixão é fogo arrebatador, que obscurece a razão e leva ao desatino, deixando, depois, apenas cinzas, como aconteceu com o Edifício Joelma.
O apaixonado ama como quem aprecia um doce.
Deleita-se! É saboroso! satisfaz o paladar!

Por isso logo deixa de amar, atendendo a várias razões;
- Saciou-se
- Enjoou
- Deseja novos sabores

A partir daí, há campo aberto para o adultério e a separação, sem que a pessoa tome consciência do mal que causa ao parceiro e, principalmente, à prole, quando há filhos.
Enquanto perdura a paixão, podem ocorrer problemas mais graves e comprometedores:

- Crimes: bárbaros assassinatos são metidos por amantes que se sentem traídos e negligenciados ou que foram abandonados. Perdendo o domínio sobre o parceiro, tratam de eliminá-lo, como quem joga fora um doce que azedou.

- Maus tratos: é característica masculina, própria de machistas incorrigíveis, sempre dispostos a agredir para impor sua vontade, com o que apenas conturbam a relação, matando a afetividade na parceria.

- Suicídio: uma das causas mais comuns dessa ação nefasta, que precipita o indivíduo em sofrimentos inenarráveis no Mundo Espiritual, é a paixão contrariada. O sentir-se traído, negligenciado, ou não correspondido.

O amor situa-se nos domínios do sentimento verdadeiro.
Sustenta-se numa regra básica: pensar no bem-estar do ser amado, com a consciência de que nossa felicidade está diretamente subordinada a ver a felicidade do outro (mesmo que seja com outra pessoa).

As uniões felizes, os casamentos que se estendem além da morte, ensejando reencontros felizes na Espiritualidade, são aqueles em que os cônjuges revelam maturidade suficiente para mudar de pessoa na conjugação do verbo de suas ações.

Da primeira do singular - EU, para a terceira - ELE, trocando cuidados recíprocos, a se exprimirem em carinho e solicitude.

Fonte: Cepal André Luiz

10 de dezembro de 2013

Florescimento

O grande amor que tenho por plantas e flores, me faz desejar que o mundo seja um grande jardim, totalmente florido com as mais variadas cores. Espalhar vasos de plantas pela casa, tornou-se tão certo quanto mudar a posição dos móveis. Lembro da sensação de felicidade plena; de um preenchimento difícil de alcançar ao ver a casa florida.
Observar o desabrochar de uma flor,  é um espetáculo lindo e exuberante, pois os botões se abrem para que possa entrar mais luz do sol. Com os raios solares recebidos o vegetal adquire mais força/energia para mostrar a beleza guardada em seu interior. A medida que ela recebe o alimento sua ascensão aumenta, chegando ao lindo momento do florescimento.
Assim acontece com o florescimento da vida e das ideias. Uma vez que nós precisamos de iluminação, amor e compaixão. Nenhuma caminhada é fácil no escuro. É necessário acender esse candeeiro com estudo e dedicação; compreendendo que somente nós poderemos iniciar e manter essa chama iluminando nossa jornada.
Cada conhecimento adquirido e assimilado ajuda e impulsiona esse novo caminho. Antes, porém precisamos compreender que obstáculos estarão em nosso caminho, mas ao cultivar a Fé passaremos por todos sem grandes problemas ou dificuldades.
A Fé em nos mesmos determina a qualidade do aprendizado adquirido, ainda que precisemos buscá-la nos recônditos mais íntimos. A descoberta da Fé em nós, no Próximo e em Deus, se configura no verdadeiro processo de florescimento. Pois esse momento é único para cada pessoa. O entendimento e a aceitação da capacidade em si direciona a um novo modo de ver a vida, o mundo e a nós mesmos.

8 de novembro de 2013

Dor de cabeça

Era uma sexta-feira. Muita gente aglomerava-se em volta de Chico. Zeca Machado tomava providências para o início da reunião. O irmão Barbosa postou-se à cabeceira da mesa, Lico, Dr. Rômulo e outros dirigentes do "Luiz Gonzaga" puseram-se a postos.

Chico, de pé, abraçava um, dirigia a palavra a outro. Aproximou-se dele uma jovem senhora, reclamando de forte dor de cabeça. Chico a ouviu atentamente e convidou-a a sentar-se na assistência para participar. A palestra transcorreu normalmente, com os colaboradores dando sua parcela de cooperação nos comentários. Depois da meia-noite, finda a reunião, a senhora que reclamara da dor de cabeça achegou-se ao médium, com fisionomia radiante e feliz. A dor de cabeça cessara nos primeiros minutos das tarefas. Chico sorriu docemente, despedindo-se dela com carinho.
Instantes depois, explicou:
- Emmanuel me disse que aquela senhora teve uma discussão muito forte com o marido, chegando quase a ser agredida fisicamente. O marido desejou dar-lhe uma bofetada e não o fez por recato natural. Contudo, agrediu-a vibracionalmente, provocando uma concentração de fluidos deletérios que lhe invadiram o aparelho auditivo, causando a dor de cabeça. Tão logo começou a reunião, Dr. Bezerra colocou a mão sobre sua cabeça e vi sair de dentro de  seu ouvido um cordão fluídico escuro, negro, que produzia a dor. Eu estava psicografando mas, orientado por Emmanuel, pude acompanhar todo o fenômeno.

Reflexão: 
Com esse relato do Chico podemos perceber e compreender a necessidade de educação de nossos desejos e vontades; o quanto nossos pensamentos são poderosos e podem realizar nosso desejo mais íntimo, mesmo que não tenhamos coragem de realizar o ato, percebemos que a intenção basta. Por isso, devemos semear em nós o desejo e a vontade de crescer e melhorar, pois assim estaremos armazenando em nós energias benéficas, que inicialmente serão boas para nós, entretanto ao longo dessa colheita, serão estendidas às pessoas próximas a nós. Quando nos apercebermos estaremos envoltos numa corrente fluídica totalmente benéfica e teremos mais forças e discernimentos para vencer nossas provações.  

24 de outubro de 2013

A importância do Evangelho do Lar


“Onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome,
                              Eu estarei entre vós”- Jesus  (Mt 18,20).




O Evangelho do Lar é de suma importância para a elevação da sociedade humana, mais que uma simples reunião familiar, é o encontro com as nossas origens divinas, onde abrimos as portas de nossa casa para Jesus e seus trabalhadores.
            Muitos dos que praticam essa reunião de amor fraterno desconhecem o tamanho da significação e complexidade vistos pelo mundo espiritual. Como uma singela reunião de pessoas e familiares pode proporcionar uma imensa contribuição no auxílio aos necessitados de luz, paz e amor?
            A reunião começa em um horário previamente marcado, sempre em um dia especifico da semana, geralmente as pessoas costumam escolher o dia de domingo, pelo fato de todos os familiares encontrarem-se em casa, mas pode ser feita em qualquer dia da semana, desde que seja sempre aquele dia da semana no mesmo horário.
            Com os integrantes já reunidos na mesa, com uma jarra de água natural ao centro, começa-se com uma leitura preparatória de algum livro de mensagens cristãs, muitos utilizam livros da coleção Fonte Viva, psicografados por Francisco Cândido Xavier com mensagens ditadas pelo espirito Emmanoel, mas podem ser outros de conteúdo cristão, em seguida é iniciada a prece, pedindo permissão ao Deus Pai para que seja feito o trabalho de evangelização, pedindo o auxílio e a proteção dos trabalhadores de Cristo, nosso Divino Mestre, logo após faz-se uma leitura de um trecho do Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec ( pode ser escolhido aleatoriamente ou um trecho já pré-determinado), esse trecho é comentado por todos os integrantes da reunião, cada um dando sua contribuição do que entenderam do trecho lido. Antes do encerramento é pedido em prece o auxilio aos necessitados e sofredores de todo tipo: doentes, sem teto, prisioneiros, enfim todos que sofrem neste mundo. Encerra-se com a prece de agradecimento a Deus, Jesus e seus trabalhadores, pedindo a fluidificação da agua e convidando-os a retornarem para a evangelização da próxima semana. Tudo isso visto pelo lado material, vejamos agora pela ótica espiritual.
            Nos primeiros dias de evangelização em um lar os trabalhadores de Jesus fazem uma limpeza no ambiente, retirando todos os miasmas deixados por entidades infelizes, tornando-o assim mais harmônico e elevando o teor vibratório. Algumas entidades que habitam o local afastam-se ou aceitam o auxílio cristão, e outros permanecem de acordo com a sintonia dos moradores encarnados.
            Com a nova vibração o lar começa a receber espíritos elevados que trazem consigo aparelhos para o preparo da tarefa, com esses aparelhos é estabelecido um perímetro no local por um campo magnético, pelo qual somente sai ou entra quem é permitido, esse campo magnético com o passar do tempo vai expandindo-se pela vizinhança, chegando muitas vezes a ultrapassar o tamanho do quarteirão.
            O lar transforma-se em um posto de atendimento a espíritos necessitados de luz e paz no coração. Muitos espíritos sofredores participam da reunião e são auxiliados pelos trabalhadores através das vibrações emanadas pelos moradores encarnados, por isso não é aconselhável que algum participante esteja ali contra a sua vontade, cada um sabe da sua necessidade e chega um momento em que todos sentem essa necessidade de participar.
            Apesar de não conseguirem ver os trabalhadores (por causa da baixa vibração) os irmãos sofredores conseguem ver a luz que emana do lar, sendo assim atraídos para ele. Na porta de entrada somente passam pelo campo magnético aqueles que estão em condições de receber o auxilio e os que se encontram ainda muito desequilibrados são barrados e muitas vezes encaminhados aos Centros Espiritas.
            Durante as preces de encerramento muitos irmãos se comovem ao sentirem o infinito amor de Deus enchendo o ambiente de paz, é quando a água é fluidificada, tornando-se luminosa e cristalina como um diamante liquido lapidado pelo Nosso Criador.
A evangelização de um lar, além de harmonizar o convívio dos moradores, também harmoniza a vizinhança, tornando assim as pessoas mais receptivas no amor ao próximo, iluminando os corações e sucessivamente trazendo paz e felicidade, imunizando-nos contra a o desanimo e a tristeza.
Que Jesus esteja sempre em nossos corações!


                                                                          Por: Ribamar Coêlho.

10 de outubro de 2013

A importância do Evangelho do Lar




        “Onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome,
                              Eu estarei entre vós”- Jesus  (Mt 18,20).




O Evangelho do Lar é de suma importância para a elevação da sociedade humana, mais que uma simples reunião familiar, é o encontro com as nossas origens divinas, onde abrimos as portas de nossa casa para Jesus e seus trabalhadores.
            Muitos dos que praticam essa reunião de amor fraterno desconhecem o tamanho da significação e complexidade vistos pelo mundo espiritual. Como uma singela reunião de pessoas e familiares pode proporcionar uma imensa contribuição no auxílio aos necessitados de luz, paz e amor?
            A reunião começa em um horário previamente marcado, sempre em um dia especifico da semana, geralmente as pessoas costumam escolher o dia de domingo, pelo fato de todos os familiares encontrarem-se em casa, mas pode ser feita em qualquer dia da semana, desde que seja sempre aquele dia da semana no mesmo horário.
            Com os integrantes já reunidos na mesa, com uma jarra de água natural ao centro, começa-se com uma leitura preparatória de algum livro de mensagens cristãs, muitos utilizam livros da coleção Fonte Viva, psicografados por Francisco Cândido Xavier com mensagens ditadas pelo espirito Emmanoel, mas podem ser outros de conteúdo cristão, em seguida é iniciada a prece, pedindo permissão ao Deus Pai para que seja feito o trabalho de evangelização, pedindo o auxílio e a proteção dos trabalhadores de Cristo, nosso Divino Mestre, logo após faz-se uma leitura de um trecho do Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec ( pode ser escolhido aleatoriamente ou um trecho já pré-determinado), esse trecho é comentado por todos os integrantes da reunião, cada um dando sua contribuição do que entenderam do trecho lido. Antes do encerramento é pedido em prece o auxilio aos necessitados e sofredores de todo tipo: doentes, sem teto, prisioneiros, enfim todos que sofrem neste mundo. Encerra-se com a prece de agradecimento a Deus, Jesus e seus trabalhadores, pedindo a fluidificação da agua e convidando-os a retornarem para a evangelização da próxima semana. Tudo isso visto pelo lado material, vejamos agora pela ótica espiritual.
            Nos primeiros dias de evangelização em um lar os trabalhadores de Jesus fazem uma limpeza no ambiente, retirando todos os miasmas deixados por entidades infelizes, tornando-o assim mais harmônico e elevando o teor vibratório. Algumas entidades que habitam o local afastam-se ou aceitam o auxílio cristão, e outros permanecem de acordo com a sintonia dos moradores encarnados.
            Com a nova vibração o lar começa a receber espíritos elevados que trazem consigo aparelhos para o preparo da tarefa, com esses aparelhos é estabelecido um perímetro no local por um campo magnético, pelo qual somente sai ou entra quem é permitido, esse campo magnético com o passar do tempo vai expandindo-se pela vizinhança, chegando muitas vezes a ultrapassar o tamanho do quarteirão.
            O lar transforma-se em um posto de atendimento a espíritos necessitados de luz e paz no coração. Muitos espíritos sofredores participam da reunião e são auxiliados pelos trabalhadores através das vibrações emanadas pelos moradores encarnados, por isso não é aconselhável que algum participante esteja ali contra a sua vontade, cada um sabe da sua necessidade e chega um momento em que todos sentem essa necessidade de participar.
            Apesar de não conseguirem ver os trabalhadores (por causa da baixa vibração) os irmãos sofredores conseguem ver a luz que emana do lar, sendo assim atraídos para ele. Na porta de entrada somente passam pelo campo magnético aqueles que estão em condições de receber o auxilio e os que se encontram ainda muito desequilibrados são barrados e muitas vezes encaminhados aos Centros Espiritas.
            Durante as preces de encerramento muitos irmãos se comovem ao sentirem o infinito amor de Deus enchendo o ambiente de paz, é quando a água é fluidificada, tornando-se luminosa e cristalina como um diamante liquido lapidado pelo Nosso Criador.
A evangelização de um lar, além de harmonizar o convívio dos moradores, também harmoniza a vizinhança, tornando assim as pessoas mais receptivas no amor ao próximo, iluminando os corações e sucessivamente trazendo paz e felicidade, imunizando-nos contra a o desanimo e a tristeza.
Que Jesus esteja sempre em nossos corações!


                                                                          Por: Ribamar Coêlho.

20 de agosto de 2013

Um homem determinado por Deus!

Em tempos de isolamento, desconfiança e ausência de gentilezas, encontramos o Sr. Nilo, homem simples, educado, gentil e compreensivo. De segunda a sábado levanta cedo, escolhe uma roupa limpa, faz a barba, despede-se da família, e segue para seu emprego. Ao chegar organiza as mercadorias, limpa o carro, confere o estoque, varre seu espaço para então iniciar mais uma jornada de trabalho. A empresa que ele trabalha? Localiza-se na Rua 14 de março de esquina com a Rua Domingos Marreiros. Qual sua profissão? Vendedor de bombons.
Esse bombomzeiro, dentre tantos espalhados pelas esquinas da cidade, foi escolhido por um comportamento curioso: em seu horário de almoço, ele deixa a banca aberta, com seus produtos expostos e faz sua refeição com toda a calma e tranquilidade. Ao ser questionado sobre essa prática, ele apenas responde: “Digo a todos que me veem fazer esse tipo de trabalho, pra poder sair sem ter ninguém que tome conta, quando saio daqui eu determino: olha Jeová vou embora, está em suas mãos!”.
O mais interessante dessa situação é que de fato ele nunca foi roubado ou assaltado. Disse que já sentiu a falta de um ou outro bombom, mas nada que faça grande diferença em seu saldo diário. Entre 2002 e 2008, período em que o bairro sofria com constantes assaltos, foi incentivado a deixar o local, mas ele disse: “eu nunca cheguei a ter medo. Ficava preocupado, sabe! Mas não devo nada para bandido e nem para ninguém. A minha confiança está em Deus, e acabou-se”.
O Sr. Nilo é vendedor nessa esquina há 15 anos, é contribuinte do INSS, e aguarda sua aposentadoria para 2013 quando completará 65 anos de idade. Ele afirma que a renda adquirida com a venda de bombons sustenta sua família, antes composta por quatro pessoas: ele, a esposa e um casal de filhos, que hoje aumentou para nove pessoas. Ao escolher essa rua para estabelecer sua venda, sofreu com a resistência dos moradores, que temiam a presença de uma pessoa desconhecida. Porém não se abateu, e foi seguindo com seu trabalho, conquistando a confiança dos moradores aos poucos. Sempre cuidando do seu espaço, tanto que ao longo da entrevista, por diversas vezes pegou papel do chão e jogou no lixo. Inclusive, disse que foi cobrado para que colocasse uma lixeira, pois as pessoas alegavam que precisavam colocar os papeis no bolso. No entanto, após resolver esse problema os papeis continuam indo parar no chão. E completou dizendo que o ser humano é complicado, pois é difícil saber o que ele quer.
Só é preciso observar alguns minutos para perceber o carisma desse Senhor tão gentil, sendo sempre cumprimentado. Relatou também que chega a fazer alguns serviços corriqueiros para os moradores, que tomam conta da banca enquanto ele paga uma conta. Isso mostra que a confiança foi conquistada, e que ele a mantém no dia a dia, ressaltando que “as pessoas estão observando nosso comportamento”. Um tempo atrás, ele foi alvo de um programa de televisão local. Uma situação foi filmada e veiculada na TV. Os moradores contaram sobre o ocorrido, ele disse ser apenas uma brincadeira, porém no fundo era sério, pois se o comportamento dele fosse ruim, iriam falar sobre o mau exemplo, denotando a importância nosso comportamento.
Não é necessário ser um profundo conhecer da alma humana para sentir a grandeza de seus gestos. Conversar um pouco, trocar algumas ideias, é suficiente para compreender de onde surge tanta segurança. A sua extrema confiança em Deus é fator determinante para procurar essa centelha divina nos recônditos de nosso ser. A todo o momento se reporta a Deus, e se denomina uma pessoa em busca de conhecimento. Não o encontrando na antiga religião, procurou em outra. Lá encontrou amparo e resposta aos seus questionamentos. Hoje continua tentando ser uma pessoa melhor que ontem. Sempre atento às suas atitudes, dizendo que tem o mesmo comportamento em casa e na rua, assim reforçando a importância da verdade em nossos atos. E finaliza dizendo que “a confiança em Deus é primordial!”.

Novidades!





Aguarde!

7 de julho de 2013

Atos e Atitudes

Todos os dias nos vemos diante de situações, atos e atitudes. Cada um deles possuem importância e resultados distintos. A vida nos exige um posicionamento coerente e diferente, de modo que sejamos nós a modificar e melhorar nossas reações. É necessário pensar que sempre seremos colocados em situações provenientes de atos e que aguardam uma atitude. Sendo assim, antes mesmo de questionar o ocorrido, devemos, sim questionar a nós mesmos. Analisando o que teríamos feito diferente, ou se ao menos o faríamos.
Uma determinada situação nos impele a pensar e agir segundo nossas crenças, conhecimento de mundo e experiência. Não significando agir de modo correto ou de acordo com o esperado. Muitas vezes, na ânsia de ajudar prejudicamos ou ultrapassamos barreiras toleráveis. Entretanto, somos apenas alguém que gostaria de mudar a situação ou, pelo menos, apaziguar um sofrimento desnecessário. Mas, essa confusão de sentimentos e intenções levam à atos, por vezes, excessivos, em relação à situação.
Dessa forma, cabe uma análise mais profunda, a fim de compreender se o ocorrido feriu qualquer protocolo de limites, prejudicando ou fomentando atos grosseiros, desafiadores ou irritantes. Pois é muito comum, quando acuada uma pessoa ter uma reação que resulte em atos impensados e precipitados na tentativa de barrar um possível "ataque". Uma forma de apaziguar tal reação é sempre relevar e não retrucar a iniciativa. Assim, evitando atitudes contrárias ao que desejamos e torcemos (intimamente) para que aconteça.
As atitudes resultantes de algumas situações determinam a felicidade ou a tristeza. Porém, mais importante que estar certo, com a razão ou mesmo aguardando um  pedido de desculpas é ter conosco a tranquilidade de ser justo. Nos apegando avidamente à algumas certezas, perdemos oportunidades incríveis de crescer interiormente, de nos tornarmos uma pessoa melhor. Uma vez que, nossas ínfimas melhoras se transformarão em consideráveis agentes apaziguadores de situações semelhantes.